Conecte-se conosco

Mercado Imobiliário

Você sabe o que a LGPD vai mudar no mercado imobiliário?

Entenda quais são os impactos da LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados) para as empresas que atuam no mercado imobiliário.

Publicado a

I

Entenda quais são os impactos da LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados) para as empresas que atuam no mercado imobiliário.

Se você acompanha as tendências do mercado, já deve ter ouvido falar sobre a LGPD (Lei Geral de Proteção de Dados). Mas deve estar se perguntando como ela afeta o mercado imobiliário…

A lei, sancionada pelo Presidente da República em agosto de 2018, passa a ser obrigatória em agosto deste ano. A partir desse momento, todas as empresas do mercado imobiliário deverão seguir as exigências relacionadas ao uso de dados dos consumidores.

Quer saber como ela afeta imobiliárias, construtoras, loteadoras e incorporadoras? Você vai descobrir neste artigo quais são os principais efeitos dessa nova lei no mercado imobiliário.

O que é a LGPD?

A LGPD foi baseada na lei europeia General Data Protection Regulation (GDPR), criada como uma solução para aumentar a segurança no gerenciamento de dados dos consumidores, após os escândalos de vazamento de dados dos usuários do Facebook.

Estamos vivendo em um período em que é cada vez mais comum o acesso a grandes volumes de dados pessoais. E as organizações estão explorando ao máximo essas informações para se beneficiar. Por isso, o objetivo da lei é incentivar empresas a controlarem os dados dos consumidores de forma mais responsável.

A LGPD determina ações sobre o tratamento de dados pessoais para proteger os direitos fundamentais de liberdade e de privacidade dos indivíduos. As empresas que não seguirem esses fundamentos e desrespeitarem as novas exigências podem sofrer penalidades que chegam até 2% do faturamento anual, com o limite de 50 milhões de reais por infração.

Mas como essa lei vai impactar o mercado imobiliário? Confira a seguir!

Quais são os impactos no mercado imobiliário?

Especificamente no mercado imobiliário, todas as empresas do setor precisarão ficar alertas sobre como coletam e gerenciam os dados de clientes e leads.

A partir da efetividade da nova lei, o consumidor deverá ser informado, de forma clara, sobre a forma como seus dados serão utilizados. Ou seja, uma imobiliária que coleta informações de um lead para prospecção, em uma Landing Page, não poderá mais utilizar essas informações para uma finalidade que não seja a venda – como para o envio de e-mails marketing, por exemplo.

Por isso, será mais que necessário começar a implantar e readequar processos em sua construtora, seguindo já as regras da nova lei, para evitar multas.

Saiba quais são os principais pontos que merecem a sua atenção:

Coleta e manutenção de dados

A partir do cumprimento da LGPD, as empresas do mercado imobiliário devem ter uma atenção especial com os formulários de cadastro de dados. É fundamental que o cliente entenda a finalidade da coleta das informações. E isso vale tanto no ambiente digital (sites, apps e anúncios) quanto no ambiente físico (stand de vendas, eventos, entre outros pontos de contato).

Arquivamento de informações

Imobiliárias que armazenam dados de leads para tentar contato no futuro também precisarão repensar esses processos. Não será mais autorizado pedir informações sem finalidades imediatas. Sua equipe de vendas vai precisar agir rápido, pois sempre que você quiser um novo dado do cliente, será necessário um novo consentimento.

Estruturação de novos processos internos

Como consequência da LGPD, vários processos internos de construtoras, principalmente os relacionados às ações de marketing e vendas, precisarão ser revistos.

Campanhas de e-mail marketing, envio de SMS, segmentação em campanhas digitais e exploração das mídias sociais são exemplos de ações que lidam com dados de usuários. Para usar essas estratégias, será preciso tornar tudo transparente e de fácil entendimento para o consumidor.

No mercado imobiliário tornou-se muito comum a prática de coleta de dados de parceiros para oferecer empreendimentos aos clientes. Em muitos desses casos, os clientes não sabem quando e nem como forneceram essas informações as imobiliárias – o que vai contra as exigências da nova lei. Essas práticas devem ficar no passado.

Como adequar sua empresa às exigências da LGPD?

A LGPD ainda é uma legislação recente e as empresas ainda estão aprendendo a lidar com as exigências da norma. No entanto, os consumidores estão tendo cada vez mais consciência sobre o uso adequado dos seus dados pessoais.

Por este motivo, quanto antes as empresas do mercado imobiliário se adequarem à essa lei, menores serão as chances de receberem complicações legais.

Neste contexto, a transparência é a palavra-chave. No início, pode parecer difícil manter a eficiência das ações de marketing e vendas – principalmente no que se refere a geração de leads. Porém, mesmo com as restrições no uso de dados, ainda é possível se reinventar e manter os bons resultados.

Uma ótima ideia para construtoras, incorporadoras, imobiliárias e loteadoras que desejam se adequar às exigências da LGPD, é fazer uma parceria com um profissional especializado em compliance, mesmo que de forma terceirizada, para ajudar a empresa a gerenciar dados e evitar riscos à construtora.

Você já conhecia a impacto da LGPD no mercado imobiliário? O seu negócio já está se adequando às novas exigências? Compartilha com a gente como a sua empresa está se adaptando a essa lei. 

A equipe Facilita tem a missão de te ajudar a melhorar processos e se manter atualizado sobre as mudanças do mercado imobiliário. Queremos te ajudar a facilitar seu processo de vendas com conteúdo transformador.

Continue lendo
Clique aqui para comentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Mercado Imobiliário

Queda da Selic e aumento nas buscas por compra de imóveis em 2024

Publicado a

I

Compreenda o cenário atual do mercado imobiliário brasileiro em 2024 e como as recentes mudanças na taxa básica de juros têm impactado as buscas por compra de imóveis. Nesse post, vamos explorar em detalhes as consequências da queda da Selic e as oportunidades que surgem para as incorporadoras, loteadoras e imobiliárias e para quem busca realizar o sonho da casa própria este ano. Não deixe de acompanhar a análise sobre as transformações econômicas e seus reflexos no setor habitacional, confira!

Redução da Taxa Selic

O cenário econômico brasileiro vem passando por mudanças significativas, refletindo diretamente no mercado imobiliário. Em meio a essas transformações, destacamos um fator crucial: a redução da taxa Selic. Na última decisão do Copom, realizada em 31 de janeiro, a taxa básica de juros foi reduzida para 11,25% ao ano, marcando o quinto corte consecutivo e atingindo seu menor nível desde março de 2022. Essa medida tem implicações diretas no setor imobiliário, estimulando um aumento nas buscas por compra de imóveis.

Aumento nas buscas por compra e venda de imóveis no Google

De acordo com dados do Google, as pesquisas relacionadas à compra e venda de imóveis cresceram significativamente em janeiro de 2024, registrando um aumento de 12,2% em comparação ao mesmo período do ano anterior. Esse crescimento foi ainda mais expressivo em alguns estados, como Espírito Santo, Piauí e Tocantins, onde as buscas aumentaram mais de 20%.

A busca por alternativas habitacionais também se destacou, com um aumento de 25% nas pesquisas relacionadas à mudança de moradia, sugerindo um maior interesse em deixar o aluguel e investir na compra da casa própria. Esse movimento é impulsionado não apenas pela queda na taxa de juros, mas também pelo desejo de estabilidade e segurança proporcionados pela posse do imóvel.

É importante ressaltar que a Caixa Econômica Federal, como principal instituição financeira no mercado imobiliário, também foi alvo frequente das buscas, principalmente por sua atuação em programas como o Minha Casa, Minha Vida (MCMV) e pela competitividade de suas taxas de juros.

A crescente demanda por moradias próprias, refletindo não apenas uma busca por segurança financeira, mas também por estabilidade e conforto. Com a redução da taxa Selic e as oportunidades oferecidas pelo mercado, o momento se mostra propício para aqueles que desejam realizar o sonho da casa própria em 2024 e é um cenário de oportunidades de vendas para incorporadoras, loteadoras e imobiliárias.

O que você achou do conteúdo? Não deixe de continuar acompanhando as novidades do nosso blog!

Continue lendo

Mercado Imobiliário

O sonho da casa própria em 2024: pagamento à vista em destaque

Publicado a

I

O ano de 2024 promete ser marcante para muitos brasileiros que almejam conquistar a casa própria, revelam pesquisas recentes. Com 31% dos entrevistados desejando realizar esse sonho, a perspectiva é otimista, especialmente para quem planeja pagar à vista, sendo esse o objetivo de 47% dos futuros proprietários.

A pesquisa da Febraban indica que a busca por um lar próprio está alinhada com a expectativa de melhoria na vida pessoal e familiar de 74% dos entrevistados. Essa inclinação também reflete no crescimento do Minha Casa Minha Vida, impulsionando os negócios em quase 30% em comparação com 2022.

A preferência pelo pagamento à vista é confirmada pela pesquisa do Grupo OLX, revelando que 11% dos interessados planejam utilizar o saldo do FGTS para concretizar a compra. Enquanto 51% consideraram um financiamento, quase metade não busca crédito, apontando para uma abordagem cautelosa diante das opções disponíveis.

Cortes na taxa de juros em 2024 

A perspectiva de novos cortes na taxa de juros em 2024 e a reorganização do mercado de financiamentos incentivam diversas empresas imobiliárias a explorar oportunidades de rentabilidade por meio de financiamentos, destacando o momento positivo no setor.

Em paralelo, o mercado imobiliário em Santa Catarina se destaca, movimentando negócios milionários em cidades como Balneário Camboriú, Itapema e Florianópolis. Cidades como São José e Itajaí registraram valorizações expressivas, enquanto o mercado de locação de temporada apresentou crescimento significativo no verão.

Empresas especializadas, como o Espaço Smart, projetam faturar R$ 500 milhões em 2024, atendendo clientes de alto padrão com uma proposta inovadora de escolha do projeto e construção.

A pesquisa do Grupo OLX também revela que, apesar da maioria (51%) considerar um financiamento necessário, mais de 40% dos futuros compradores demoram mais de 12 meses para fechar o negócio, destacando a complexidade da decisão.

Financiamento imobiliário

O cenário de saques consecutivos na poupança nos últimos anos desafia o crédito imobiliário, sinalizando a necessidade de novas fontes de financiamento. Analistas apontam que as retiradas refletem um orçamento mais apertado e alto endividamento das famílias, destacando a importância de opções estruturais para sustentar o setor.

Em meio a esse panorama, a jornada digital se destaca, com portais imobiliários e sites de anúncios dominando a busca por imóveis, evidenciando a tendência de uma jornada cada vez mais digital, autônoma e eficiente para os futuros proprietários.

O ano de 2024 se desenha como um período promissor para o setor imobiliário, com as expectativas positivas refletindo não apenas o desejo da casa própria, mas também a busca por soluções inovadoras e estratégicas em um mercado dinâmico e em constante transformação.

Planejamento de lançamentos em 2024

Gestores Comerciais de Construtoras, existem vários discursos lindos e envolventes… mas na prática: quais são os resultados de se aplicar tecnologia em lançamentos? Glauco Farnezi, como CEO do Facilita, acompanhou lançamentos de mais de 300 construtoras nos últimos anos e analisou mais de 2,5 milhões de atendimentos e um VGV de R$ 7,6 bilhões. Ele compartilhará benchmarkings e insights com outros gestores comerciais de construtoras que querem bater suas metas de vendas nos lançamentos.

Continue lendo

Mercado Imobiliário

O seu CRM atual é adaptável ao seu processo de vendas?

Publicado a

I

Continue lendo

mais acessados do Blog

pt_BRPortuguese