Conecte-se conosco

Mercado Imobiliário

Pesquisa de comportamento do consumidor: saiba o que influencia a decisão do seu cliente

Publicado a

I

Qual é a real necessidade que seu cliente busca satisfazer com o seu produto ou serviço? As motivações mais fundamentais para o processo de compras frequentemente não são tão óbvias quanto parecem. Por exemplo, o que uma pessoa busca quando compra um imóvel residencial? A resposta mais superficial seria satisfazer à necessidade de segurança proporcionada por uma moradia. Mas então o que direciona o desejo por diferentes tipos de produtos imobiliários?

A pesquisa em comportamento do consumidor nos ajuda a entender todas as nuances do que direciona as escolhas dos nossos clientes, e isso é essencial para o desenvolvimento de produtos que satisfaçam não apenas as necessidades diretas, mas também aquelas que não estão tão aparentes.

Dependendo da informação que você busca, pode ser necessário usar uma pesquisa qualitativa ou quantitativa para chegar até ela. Normalmente, podemos ainda aplicar de forma conjunta essas duas modalidades para uma compreensão mais abrangente dos aspectos que guiam o processo de decisão do consumidor.

O que é e qual é a função da pesquisa em comportamento do consumidor?

Podemos definir uma necessidade como uma diferença entre o estado em que o consumidor está e aquele em que gostaria de se encontrar. Um desejo, por sua vez, é uma forma específica de satisfazer essa necessidade que desperta a preferência do consumidor.

Nesse contexto, a pesquisa de comportamento do consumidor pode ser vista como uma caixa de ferramentas que podemos usar para decodificar quais são os fatores que influenciam como os consumidores tomam suas decisões a partir do momento que percebem uma necessidade. Assim, estamos falando de uma diversidade de métodos para um determinado propósito (desvendar o que influencia o processo de decisão do consumidor), e não de um tipo específico de pesquisa.

Como é feita a pesquisa em comportamento do consumidor?

Há diversas formas de se conduzir uma pesquisa dessa natureza. Abordaremos aqui como cada tipo de pesquisa se encaixa com o tipo de informação você busca para balizar sua decisão.

Resumidamente, podemos dizer que a pesquisa qualitativa pode ser usada para descobrir quais são os fatores que influenciam o comportamento do consumidor. Por sua vez, a pesquisa quantitativa se preocupa em quantificar esses fatores de uma forma que seja representativa da população estudada.

Para colocar de outra forma, você pode utilizar uma pesquisa qualitativa quando pretende investigar o que seu cliente pensa, o que sente, que significados e símbolos carrega consigo e que critérios avalia quando toma uma decisão. Por outro lado, você precisa de uma pesquisa quantitativa quando precisa medir como a população estudada (seu público-alvo) se posiciona em relação a esses critérios de decisão e o nível das preferências em relação a cada uma das opções de compra. 

Vamos nos debruçar agora sobre como, exatamente, essas duas categorias de pesquisa nos ajudam a desvendar o comportamento do consumidor.

Desvendando o comportamento do consumidor por meio da pesquisa qualitativa

Em alguns casos, é preciso explorar a fundo o que o consumidor esconde por trás daquilo que declara como suas preferências. Por exemplo, imagine que você deseja saber a motivação de potenciais compradores para comprar uma chácara como imóvel de lazer. Se perguntarmos por que a pessoa deseja comprar esse imóvel, é muito provável que ela diga que gosta de estar em meio à natureza.

À primeira vista, podemos pensar que a pergunta está respondida, afinal a pessoa já declarou que sua motivação é por um gosto pessoal de contato com a natureza. Certo, mas por quê? Um investigador mais atento deve perceber que por trás do gosto pelo contato com a natureza deve existir alguma associação na mente do consumidor. O que esse contato representa para essa pessoa que promove um desejo tão forte a ponto de buscar um imóvel para proporcionar essa experiência?

Apenas a pesquisa qualitativa pode detectar essas nuances e estimular a pessoa entrevistada para que entregue com mais clareza o que esconde sob essa preferência. Muitas vezes, nem mesmo ela tem clareza sobre isso. Para citar um exemplo, podemos identificar que essa preferência se dá porque a pessoa passou a infância no meio rural e, portanto, associa esse estilo de vida a uma nostalgia por um tempo em que não tinha preocupação alguma. É natural, portanto, que esse tipo de ambiente esteja associado a uma experiência de repouso e tranquilidade.

Desvendando o comportamento do consumidor por meio da pesquisa quantitativa

Para embasar algumas decisões gerenciais, não basta saber quais são os critérios que o consumidor considera em sua decisão, ou mesmo quais são os significados por trás de suas preferências. Às vezes, é preciso saber qual é o nível de preferência do seu público-alvo em relação às opções que você pode oferecer. É importante também saber o peso de cada um desses critérios para a escolha.

Por exemplo, um consumidor pode demonstrar interesse por um determinado estilo de fachada, mas como podemos saber se a maior parte do seu público-alvo tem a mesma preferência? Para obter essa resposta, precisamos de uma ferramenta capaz de descrever a população de forma representativa, algo que os métodos qualitativos não são capazes de oferecer.

Além disso, pode ser vantajoso comparar o peso que o consumidor atribui a cada um desses critérios. Por exemplo, entre a satisfação com a fachada e a adequação da planta, qual critério tem maior poder de influenciar a escolha? Será que o público-alvo compraria um apartamento em um prédio com uma fachada diferente da que considera ideal, desde que a planta seja perfeita para suas necessidades?

Esse tipo de resposta só pode ser alcançada mensurando as variáveis em questão. Em outras palavras, precisamos de um instrumento de medida (questionário) padronizado que nos permita quantificar as ideias que estão na mente do consumidor. Além disso, precisamos fazer essa mensuração em uma amostra que seja representativa da população estudada, pois assim será possível extrapolar o comportamento da amostra e assumir que o público como um todo terá um comportamento parecido.

Por que fazer uma pesquisa em comportamento do consumidor?

A qualidade da informação usada como base para uma decisão pode ser a diferença entre o sucesso e o fracasso de um produto ou serviço, seja ele imobiliário, como os exemplos citados, ou não. Conhecer os fatores que influenciam o comportamento do consumidor em sua totalidade é um insumo importantíssimo para garantir o desenvolvimento de produtos e serviços coerentes com a expectativa dos consumidores e que possam despertar seu desejo por meio da ativação de significados e associações que estão internalizados em sua mente.

Além do desenvolvimento dos produtos, as informações obtidas nesse tipo de pesquisa também podem orientar os esforços de comunicação e venda, pois a equipe passa a conhecer quais são os elementos que realmente despertam o desejo dos potenciais compradores.

Use o cupom FACILITA-15 e tenha 15% de desconto nos cursos

Continue lendo

Mercado Imobiliário

Decreto gera polêmica e é revogado no dia seguinte: e agora corretor?

Publicado a

I

Um novo decreto foi publicado no dia 9 de agosto pelo presidente da república Jair Bolsonaro, tratava-se de uma medida para redução de custos relacionados às atividades do mercado imobiliário associadas a compra, venda e locação de imóveis. 

O Decreto nº 11.165, altera a Lei nº 6.530 promulgada em 1978, que diz sobre a regulamentação da profissão de corretor de imóveis. O documento já estava em vigor e determinava que algumas atividades não seriam mais exclusivas aos profissionais corretores de imóveis. 

A mudança gerou polêmica no setor e fez com que muitos associados do Conselho Regional de Corretores de Imóveis (Creci) se questionassem sobre os efeitos dessa decisão para a profissão. Diante da repercussão, a medida foi revogada em menos de 24 horas depois da promulgação.

Mas até que ponto os corretores podem ser afetados? Será esse o fim da profissão como conhecemos hoje? Continue a leitura deste artigo e confira mais detalhes!

O que mudaria com o Decreto?

O Decreto nº 11.165 sancionado na última terça-feira (09/08), alterou o Decreto nº 81.871 de junho de 1978, o qual regulamenta a Lei nº 6.530 de maio do mesmo ano. 

A medida modificou a regulamentação da profissão de Corretor de Imóveis, flexibilizando atividades que antes, em conformidade com a legislação, eram exercidas somente por profissionais devidamente registrados no Creci.

A contar da data de publicação do decreto passaram a vigorar novas regras nas intermediações das ações de negociações associadas a compra, venda e locação de imóveis.

Conforme descrito no Art. 2º, serviços chamados “auxiliares” não competiriam mais exclusivamente aos corretores licenciados, descritos nos incisos I, II, III, IV. São eles:

I – publicidade ou marketing imobiliário;

II – atendimento ao público;

III – indicação de imóveis para intermediação;

IV – publicação, hospedagem em sítio eletrônico ou divulgação na internet de imóveis à venda ou para locação.

A justificativa é que a mudança viria para promover segurança jurídica e reconhecimento frente às inovações do setor, gerando também, diminuição da burocracia e maior receita ao reduzir custos nas transações imobiliárias. 

Ainda, o texto tornava excludente tabelas para definição de valores cobrados no exercício da corretagem de duas atribuições, adequado ao Art 3º é dada abertura à livre negociação de honorários. 

Repercussão do Decreto e opinião do Cofeci

Houve pronunciamento por parte  do presidente do Conselho Federal de Corretores de Imóveis (Cofeci), João Teodoro, que se colocou totalmente indignado com a promulgação do decreto Decreto de nº 11.165, o qual coincidiu com a data de realização do Encontro Brasileiro do Mercado Imobiliário, evento mais conhecido pela sigla ENBRACI. 

O Cofeci enxergou que tal medida foi uma afronta à categoria de trabalho e o presidente da entidade chegou a pronunciar em público que a ação se tratava de “canalhice”.

Diante da grande repercussão negativa, em menos de 24 horas depois o decreto foi revogado pelo presidente da república. As medidas que haviam sido aprovadas favoreciam empresas da construção civil do Sindicato da Habitação na Internet (Secovi). 

Além disso,  as plataformas digitais imobiliárias também seriam beneficiadas diretamente, visto que haveria dispensa da obrigatoriedade de registro no Creci em atividades “auxiliares”, como mencionado anteriormente.

O que você achou do conteúdo? Quer se manter atualizado sobre as notícias do mercado imobiliário? Assine a News do App Facilita e receba gratuitamente no seu e-mail um boletim semanal com as novidades e tendências do setor!

Continue lendo

Mercado Imobiliário

7 tendências de vendas imobiliárias

Publicado a

I

Você sabia que o mercado imobiliário tem sido um pilar para sustentar a economia no Brasil? O setor tem se destacado positivamente nos últimos anos, mas sabemos que todo sucesso requer preparo e conhecimento e vender um imóvel é sempre um processo repleto de desafios, principalmente devido à grande concorrência.  Por isso, é importante que você, enquanto agente imobiliário,  saiba como atrair e manter a atenção do consumidor e conheça as tendências de vendas imobiliárias para garantir bons resultados! Quer saber mais? Confira neste artigo.

As vendas imobiliárias nos últimos anos

Trazendo um retrospecto sobre como foi o comportamento do mercado imobiliário no ano de 2021, o setor se manteve aquecido, os resultados dos indicadores da ABRAINC em parceria com a FIPE apontaram que, com os lançamentos e vendas em alta, foi desencadeada uma grande conquista, com um avanço de 30,1% nas unidades comercializadas no 2º trimestre de 2021, representando um aumento de 25,9% em relação ao mesmo período de 2020,  findando esse como o melhor semestre da série histórica.

Em 2022 o mercado imobiliário apresentou um aumento de 42% em lançamentos no último trimestre móvel, novembro, dezembro de 2021 e janeiro de 2022. Os números confirmam as previsões positivas para a expansão do setor, que se manteve estável, especialmente, pela performance do segmento de Médio e Alto Padrão. 

Reajustes da taxa Selic

A alta da inflação foi determinante para o aumento decorrente da Selic, que em janeiro de 2021 era de 2% ao ano, o menor patamar da história do país. O ciclo de reajuste no valor da Taxa Básica de Juros chegou a 13,75% ao ano, a décima primeira alta consecutiva.

O presidente da ABRAINC, Luiz França, diz que apesar do aumento nos juros, há boas perspectivas para o setor, pois a taxa dos financiamentos imobiliários é atrelada à remuneração da poupança e a mesma não irá subir na proporção da Selic.

(7) Tendências de vendas imobiliárias em 2022

Conheça as maiores tendências do mercado imobiliário:

1 – Desburocratização em processos digitais

É importante destacar que, mesmo em um momento em que a intenção de compra está alta (principalmente no segmento MAP), apenas uma grande demanda não garante bons resultados. Com a mudança do consumidor pós-pandemia, se destacaram as construtoras que tiveram o processo de vendas mais ágil, simples e eficiente, com profissionais corretores capacitados para atuar no digital.

Com um ciclo imobiliário tão competitivo à frente, imobiliárias e construtoras estão digitalizando etapas da venda, visando driblar a burocracia e a lentidão do processo. O que você, corretor, está fazendo para aproveitar a nova fase do mercado imobiliário e consequentemente receber mais comissões? 

2 – Uso de bots na corretagem

Você, corretor, usa ou já pensou em usar chatbots nos seus atendimentos? Um bot capta informações iniciais que podem te ajudar a pré-qualificar um lead e se dedicar com mais afinco na negociação. 

Essa tecnologia, tem chegado com muita força no mercado imobiliário, muito usada para agendar visitas e apresentar informações básicas sobre os imóveis, facilitando o trabalho dos corretores.

3 – Live commerce (tour a distância)

A “live commerce” ou “tour virtual”, é aplicada para gatilhos de prova social. Você prepara sua carteira de clientes e realiza anúncios de vendas pelas redes sociais, e-mail marketing, avisando que vai realizar, por exemplo, uma live de lançamento de empreendimentos muito cobiçados e nessa live você faz uma visita virtual à distância apresentando os imóveis aos que te assistem. Apresente tudo, decorado, espaço externo, fale sobre a localização e o que mais achar pertinente para chamar a atenção dos clientes.

4 – Uso de dados para prever ou basear transações imobiliárias

O surgimento de novos programas habitacionais e o aumento ou redução de juros do crédito imobiliário são questões diretamente ligadas à análise de mercado e, importantes para tomada de decisões na sua construtora ou imobiliária, sabia disso?

O principal motivo que torna a análise de dados tão importante é que a construtora consegue manter a competitividade no mercado, principalmente pela relevância gerada ao cliente, considerando quais são as expectativas e características desse público e como fazer entregas mais assertivas às demandas dos clientes.

Aproveite para baixar nosso e-book gratuitamente e aprenda a como realizar a análise de resultados das suas vendas e compartilhe essa expertise adquirida com as construtora ou imobiliária em que você atua! Clique na imagem para baixar:

5 – Imóveis maiores e bem localizados

Ter um imóvel maior e com espaços bem definidos é o que busca muitas pessoas atualmente. Isso porque, um imóvel é bem localizado e que tem uma boa estrutura de construção, em um bairro tranquilo, traz algumas vantagens que têm sido muito valorizadas pelos clientes, como: segurança, conforto, vizinhança agradável e valorização do imóvel.

6 – Procura por imóveis com local de trabalho e de lazer

A pandemia provocou uma releitura sobre o “morar”. Nos dias de hoje, o lar tem sido observado como um ambiente de descanso, lazer, trabalho e estudo. Isso porque, o isolamento social fez com que as pessoas passassem a ficar por mais tempo em suas casas e apartamentos, o que despertou a necessidade de adequar o espaço para suprir todas as novas necessidades dos moradores.

No último ano a importância da área de lazer cresceu 25%, assim como a demanda por áreas verdes em torno do imóvel, que cresceu 28%. Por isso, condomínios voltaram o olhar para essa nova necessidade, oferecendo espaços para trabalho remoto e contato com o ambiente externo, crescendo também a consciência ambiental dos empreendimentos.

7 – Preocupação com o meio ambiente e sustentabilidade

As construtoras estão repensando projetos e entre as alternativas, apostando em inovação com adoção de novas práticas com redução de custo e melhor gestão, focado em agilidade e eficiência e sustentabilidade. Pensando nisso, a seleção de materiais que priorizam a saúde e o meio ambiente tende a ser um grande insight para o mercado imobiliário.

E aí, curtiu esse conteúdo? Então deixe um comentário aqui embaixo compartilhando a sua visão sobre essas tendências do mercado imobiliário ou converse com um de nossos especialistas.

Continue lendo

Mercado Imobiliário

Resultados do mercado imobiliário no 2º trimestre de 2022

Publicado a

I

Conforme dados divulgados pela Associação Brasileira de Incorporadoras e imobiliárias (ABRAINC) em parceria com a Deloitte, os resultados do mercado imobiliário no 2º trimestre de 2022 apesar da leve retração em demandas são positivos, o que se dá em grande parte pelo Casa Verde e Amarela (CVA), após as medidas de manutenção do programa do governo. 

Ainda, o indicador de confiança do mercado imobiliário aponta que a maior parte dos executivos tem intenção de lançar e comprar terrenos nos próximos 12 meses. Mas como isso impacta nas vendas da sua construtora? 

Confira as projeções e acompanhe mais detalhes neste artigo. Você também pode conferir como o app Facilita pode garantir o sucesso do seu próximo lançamento. Boa leitura!

Indicador de confiança do setor imobiliário residencial 

Registrando alta de 10,5% no 2º trimestre de 2022 em relação ao ano anterior, o índice de preços do indicador de confiança do setor imobiliário residencial também segue a linha de crescimento nos preços dos insumos, que no acumulado dos últimos 12 meses (terminados em junho/22) o Índice Nacional de Custos da Construção (INCC) foi de 11,8%.

De acordo com os índices deste trimestre de 2022, tanto a demanda quanto as vendas recuaram frente à força do segmento de Médio e Alto Padrão (MAP), embora o crescimento dos índices do Casa Verde e Amarela (CVA) tenham performado melhor na comparação com o trimestre anterior. 

Melhoria de  perspectiva para o CVA

Mesmo se mantendo resiliente perante a inflação e alta da selic, isso não foi suficiente para sustentar de modo geral o CVA, que foi enfraquecido pela queda do poder de compra da população. A caráter de exemplo, a pesquisa aponta que o Índice de Preços aos Consumidor (IPC) foi de 11,9% nos últimos 12 meses findos em junho deste ano.

A melhoria na perspectiva para o CVA, trouxe recuperação da expectativa de compra de terrenos e os lançamentos seguem com alta escalada para os próximos 12 meses, principalmente para o MAP

Veja o índice apontado no gráfico:

Fonte: Indicador Delloitte e Abrainc

Visão sobre os segmentos CVA e MAP

Conforme o indicador apontado na pesquisa, a demanda por imóveis residenciais manteve o mesmo ritmo neste 2º trimestre em relação ao ano de 2021. A manutenção da procura segue em bom patamar por conta do CVA, influenciado pelas novas medidas do programa que melhoraram o poder de compra das famílias de baixa renda. Já o MAP, sendo mais sensível ao cenário econômico, apresentou redução na demanda pelo segundo trimestre consecutivo.

As vendas do mercado imobiliário no 2º trimestre de 2022 se mantiveram, sendo sustentadas pelo CVA, já que houve retração em MAP, o qual vinha se destacando positivamente nos últimos períodos. 

Como isso impacta as vendas da sua construtora?

Para o próximo trimestre é esperada manutenção nas vendas e um cenário mais otimista é visto para as expectativas de vendas em CVA, refletindo as mudanças implementadas pelo governo. 

Se atentar a essas mudanças de cenário garante mais preparo nas vendas para sua construtora nos lançamentos, por exemplo. Isso, tanto para quem trabalha com CVA quanto MAP. 

Muitas construtoras têm adotado estratégias mais antenadas com a tecnologia, garantido o sucesso nas vendas imobiliárias, a exemplo disso, no empreendimento Arthaus, a Tr3s Incorporadora, a Louly Caixe e a Trinus tiveram 166% da meta batida ainda durante o lançamento.

Veja como o app Facilita pode te ajudar a organizar e gerenciar um lançamento de sucesso, fale com um de nossos especialistas aqui!

Continue lendo

mais acessados do Blog

pt_BRPortuguese